aimec_escola_de_dj_e_producao_musical_1220326550

Academia Internacional de Música Eletrônica de Curitiba comemora quatro anos de atividades em festa multimídia. Público poderá interagir na trilha sonora do evento

Publicado em 28/08/2008 @ Gazeta do Povo – Juliana Girardi

Em uma balada, a pista enche quando o DJ toca determinada música, mas esvazia quando chega a vez da sua canção preferida. A cena é comum e possivelmente você e todos os seus amigos já passaram por isso. Num momento como esse, o primeiro desejo é invadir a cabine do disc-jóquei e assumir a função de escolher a trilha sonora pelo resto da noite.
Proporcionar cada vez mais interatividade ao público freqüentador de festas regadas à música eletrônica é um dos princípios mais recentes adicionados ao já vasto e eficiente currículo da Academia Internacional de Música Eletrônica de Curitiba (Aimec), que celebra quatro anos de atividades neste sábado (30), em uma festa multimídia no Eon Club. “As tecnologias estão cada vez mais desenvolvidas e à disposição dos DJs, que usam e abusam delas para experimentar novas sonoridades. O problema é que esse conhecimento, muitas vezes, fica restrito às cabines e não chega ao público, que nem imagina como são feitos os remixes e edições que ele ouve nas pistas”, explica o DJ curitibano Ilan Kriger, um dos criadores da Aimec.

Foi pensando nesta questão que Ilan, ao lado do produtor e DJ Mateus B e do videomaker e VJ Jim, criou o projeto M.I.K.E. A/V Concept, cujo principal objetivo é justamente a interatividade. Por meio de três instalações (leia mais no quadro ao lado), que ficarão à disposição do público na festa de sábado – na entrada do clube e na pista de dança – as pessoas poderão remixar músicas a filmes e videoclipes, além de controlar o andamento da trilha sonora e a execução de vídeos pré-gravados por meio de um controle de videogame. “As casas noturnas, assim como a tevê e a internet, também caminham na direção da interatividade e, em pouco tempo, o freqüentador de uma balada terá controle total do que ele quer ver e ouvir, em tempo real”, prevê Kriger.

Quer dizer então, que a figura do DJ está à beira da extinção? Kriger rebate, mais que prontamente: “Desde os rituais tribais de agradecimento aos deuses por uma colheita farta, há dez mil anos, já havia uma pessoa cuja função era marcar o ritmo dos cantos de celebração, nem que fosse apenas com um tambor. Estes foram os primeiros DJs, profissão que existe até hoje e que nunca vai desaparecer”, finaliza.

Interatividade

Saiba mais detalhes sobre as três instalações interativas, de autoria do projeto M.I.K.E A/V, que estarão em exibição na festa comemorativa aos quatro anos da Aimec, neste sábado (30), no Eon Club.

“Scratch” com Vídeo


Com o auxílio de um equipamento de vídeo (o DVJ-X1, da Pioneer), o público é convidado a remixar ao vivo filmes e videoclipes, podendo até realizar “scratches” visuais (manipular a imagem pré-gravada, na velocidade que se desejar, em movimento similar ao que fazem os DJs nos discos de vinil).

Instalação Multimídia – Wii Controler


Painel de SMS
O público poderá controlar o andamento da trilha sonora e também a execução de vídeos pré-gravados, por meio da utilização de um controle de videogame do tipo Nintendo Wii.
Painel de SMS

Na pista de dança, um software se encarregará de receber mensagens SMS que o público poderá enviar de seus celulares a um número pré-determinado. As mensagens serão exibidas em um telão, em meio a um pano de fundo formado por grafismos e arte digital. Os que acionarem o sistema Bluetooth dos aparelhos irão receber breves vídeos criados pelo projeto M.I.K.E. A/V.

Foi pensando nesta questão que Ilan, ao lado do produtor e DJ Mateus B e do videomaker e VJ Jim, criou o projeto M.I.K.E. A/V Concept, cujo principal objetivo é justamente a interatividade. Por meio de três instalações (leia mais no quadro ao lado), que ficarão à disposição do público na festa de sábado – na entrada do clube e na pista de dança – as pessoas poderão remixar músicas a filmes e videoclipes, além de controlar o andamento da trilha sonora e a execução de vídeos pré-gravados por meio de um controle de videogame. “As casas noturnas, assim como a tevê e a internet, também caminham na direção da interatividade e, em pouco tempo, o freqüentador de uma balada terá controle total do que ele quer ver e ouvir, em tempo real”, prevê Kriger.

Quer dizer então, que a figura do DJ está à beira da extinção? Kriger rebate, mais que prontamente: “Desde os rituais tribais de agradecimento aos deuses por uma colheita farta, há dez mil anos, já havia uma pessoa cuja função era marcar o ritmo dos cantos de celebração, nem que fosse apenas com um tambor. Estes foram os primeiros DJs, profissão que existe até hoje e que nunca vai desaparecer”, finaliza.